Pastor e Queijeira

"Isto é como diz o outro, para tudo se quer hábito. E prontos, uma pessoa está habituada, mas se formos a ver é uma vida!…. deve ser a vida mais triste que há. Nem há fins de semana, nem há domingos, nem há dias santos, nem festas, nem nada, nem feriados. Chova que neve, temos que andar com isto para trás e para diante".

"Isto torna-se mais triste porque há dias e dias, às vezes até semanas, que quase não se vê uma alma no campo e antigamente, há coisa de 30 ou 40 anos, as pessoas iam. Andava aqui um a trabalhar, andava outro além a trabalhar… agora!… Se for preciso anda-se aos 10 dias que não se vê uma alma".

Depoimentos do Sr. Manuel, pastor de Vilarinho da Castanheira

Veja este video na plataforma Youtube em ecrã inteiro (Full screen) »






Padeira

A farinha que já se encontra na masseira é misturada com água morna à qual foi adicionado o fermento. Este era obtido através da massa já levedada da fornada anterior. A tarefa de amassar dura no mínimo 20 minutos terminando quando a massa se começa a descolar dos dedos e do fundo da masseira. A massa é envolta em farinha e a padeira efectua a seguinte oração fazendo três cruzes sobre a massa.

"Nossa Senhora da Assunção
tem a sua divina bênção
nosso Senhor te levede,
S. Vicente te acrescente,
para dares para toda a gente".

Veja este video na plataforma Youtube em ecrã inteiro (Full screen) »






Ferrador

Antes do desenvolvimento e massificação do automóvel, o boi, o cavalo, o burro, o macho ou a mula, com ou sem carroça atrelada, eram os animais mais utilizados para o trabalho, o transporte, a tração e a carga.

Cada aldeia possuía o seu ferrador, porque o gado cavalar, até meados do século XX, era do mais vantajoso e generalizado em todas as regiões de Portugal. A profissão de ferrador estava muitas vezes associada à de ferreiro, que na sua oficina forjava as ferraduras adaptadas às características de cada animal.


Veja este video na plataforma Youtube em ecrã inteiro (Full screen) »






Pesca tradicional no rio Douro

A pesca tradicional no rio Douro sempre foi um complemento económico para algumas famílias que habitavam a zona ribeirinha. O barco em madeira era o instrumento fundamental do pescador, sendo usado para a pesca e também como o único meio que permitia a comunicação entre as várias comunidades que habitavam as margens do rio.

"Pescadora" é um vídeo que integra o sistema multimédia do Museu da Memória Rural de Vilarinho da Castanheira, constituindo um complemento visual ao discurso museográfico produzido para o ofício da pesca tradicional no rio Douro.


Veja este video na plataforma Youtube em ecrã inteiro (Full screen) »






Topo